arquivo > Maio de 2014

O ânimo dos peregrinos do FITEI

Teatro Rivoli, Porto, 2014

A mensagem de Mario A. Rojas para o 37º Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI), ontem iniciado na cidade do Porto, dá um notável sentido ao ânimo dos habituais espectadores de teatro, comparados pelo escritor chileno aos peregrinos que todos os anos se dirigem ao Santuário da Virgem de Tirana, no Norte do Chile, numa peregrinação sempre marcada por canções e danças, cujas coreagrafias evocam as que os índios Aymara e Incas usavam, nos santuários do Altiplano, quando adoravam Pachamama, a deusa da Terra. 

Um cisne para Adrián

cisne ?, técnica mista, JR 2013

Amanhece na marina principal de Palma de Maiorca, a dos grandes veleiros. Olho-a por uma nesga da janela do meu quarto e reconheço um Swan 90 a entrar neste porto de abrigo, devagar, devagarinho, para não acordar quem ainda dorme na praia. Longe vai o ano em que nasceu o primeiro, o Swan 36, o Tarantella, desenhado por Sparkman and Stephens em 1967. Eu tinha 14 anos mas o mar ainda não me deslumbrava como hoje deslumbra, mesmo que apenas a uma certa e prudente distância - a que vai da nesga de uma imaginária janela à linha das ondas que se espraiam na praia, paredão meias com a marina dos grandes veleiros.

    A minha trilobite de estimação

    Vida na Terra com trezentos milhões de anos

    As trilobites são seres vivos que terão aparecido na Terra no Período Câmbrico, iniciado há 550 milhões de anos e desaparecido no final do Período Pérmico, o último da Era Paleozóica, isto é, há 230 milhões de anos, mais ano menos ano. O que impressiona na região de Canelas, Arouca, onde emergiram materiais que ajudaram a fossilizar seres vivos, é o testemunho de existência de vida a uma distância tão larga do início da nossa pegada de seres inteligentes.

    As verdadeiras pedras parideiras

    Pedras parideiras e luz, Arouca. JR

    O que as pedras ditas parideiras ajudam a parir é o território onde nasceram como fenômeno geológico único, um espaço com gente  empenhada em viver melhor mantendo a memória da terra que herdaram , uma espécie de "terroir" também geológico e com uma energia vital orientada para o desenvolvimento humano daqueles que aí vivem. Está é a grande lição que o Geoparque de Arouca, a que as padras parideiras pertencem, oferece a quem o descobre com a deslumbrante surpresa do que pode ser simples e belo na Terra.

    Jornal de parede ano um número um

    mar sépia JR 2013

    Algumas "Memórias Indefesas" do 25 de Abril de 1974, tão incertas quão incerto é o passado, numa leitura fotográfica dramatizada dominada por um adereço de cena que tem 40 anos de vida - um dos cartazes mais emblemáticos da revolução, um desenho de João Abel Manta que forrou muitos muros de Portugal, no âmbito de uma Campanha de Dinamização Cultural organizada pelo Movimento das Forças Armadas (MFA), algumas dessas memórias estão em cena na Sala Eunice Munoz, da Fundação Escultor José Rodrigues, no Porto, até ao fim do mês.